Sobre

Sandra Lima

Produtora e Diretora – Festival Porreta

Sandra Lima é uma produtora cultural independente filha de nordestina e apaixonada pela cultura e pela arte do povo do Nordeste.

Frequentadora de Saraus e também da Feira de São Cristóvão, idealizou o primeiro Sarau do CTN.

Com o objetivo de fomentar a poesia, música, dança e literatura nordestina de modo geral.

O Sarau nasceu em abril de 2015 na Barraca Santa Clara.

Na equipe inicial estavam Malu Alves que é a apresentadora oficial e Júlio Cesar Albuquerque que fazia a direção artística.

Na sua segunda edição foi filmado para o Programa Caminhos da Reportagem.

O Sarau foi apoiado por grandes nomes da cultura nordestina, entre eles, Gilberto Teixeira, Severino Honorato, Edmilson Santinni, Aderaldo Luciano, Beto Quirino.

O Sarau Porreta fez várias apresentações itinerantes em Lonas Culturais, Arena Jovelina Pérola Negra, Festas Juninas, Museu de Arte do Rio, Consulado da França, Museu de Astronomia Ciência e Afins, Colégio de Altos Estudos da UFRJ, entre outras.

Em 2016 ganhou um edital Ações Locais da Prefeitura, e foi inserido no mapa dos saraus do Estado do Rio de Janeiro.

Em 2017 é transferido para a Casa do Maranhão no Porto do Rio.

Ainda em 2017 encerra suas atividades por falta de recurso para cobrir todas as despesas, sempre pagas por sua fundadora e diretora.

Em 2020 é implantada a Lei Aldir Blanc para apoiar projetos e produtores culturais e a SECEC-RJ cria o edital FomentaFestivaRJ. Sandra Lima enxerga nesse edital a oportunidade de fomentar recursos para artistas nordestinos residentes no Rio de Janeiro prejudicados pela pandemia de covid-19.

Assim o antigo Sarau é adaptado e toma forma de festival, totalmente online possibilitando a participação de todos e boa visibilidade.

Nasce o FESTIVAL PORRETA de cultura nordestina, o primeiro nascido na pandemia para atender artistas nordestinos residentes no Rio de Janeiro.

Para nós, equipe PORRETA é importante mostrar a riqueza da cultura, e da literatura nordestina, para quebrar estereótipos e preconceitos já estabelecidos sobre o povo do Nordeste.


PATROCÍNIO

EDITAL FOMENTA FESTIVAL RJ – LEI ALDIR BLANC